Gregório Duvivier: DIREITO OU PRIVILÉGIO?